quarta-feira, janeiro 18, 2006

A MINHA RUA É UM RIO



E lá volto ao tema da minha rua. A rua onde moro.

Lida de fora, por vocês, espero que compreendam não ser pieguice, mas prazer que a rua me dá compelindo-me a falar dela.

A minha rua corre de nascente para poente (e vice-versa).
Ontem foi feriado. Hoje continua um fim-de-semana prolongado alterando-lhe o aspecto, o movimento, a vivência.

Já vos falei dela, de como é uma rua (quase) de aldeia.
Ontem era uma rua silenciosa, mas um silêncio gostoso. Cheio de trinados de aves e gatos ronronando nos muros dos quintais, pontilhado, de onde em onde, por ladridos dialogando entre si.

Toda ela bordejada, nas margens, por carros adormecidos.
Estranhamente o silêncio tecido na rua, pela rua, era tão aconchegante que nem as “latas” abandonadas conseguiam romper a magia.

Por norma há qualquer coisa de ameaçador numa rua cheia de carros parados, sem pessoas dentro ou fora deles, ainda mais quando aguardamos um pouco esperando o usual movimento que não acontece. Ontem era assim: uma rua deserta, onde só a “lata” imperava. Mas nada de ameaçador havia.

No ar o sussurro da luz e de bandos de pequenos, quase invisíveis, insectos flutuando nos raios solares, em suspensão, em estranhas danças, davam-lhe um ar de encantamento. Sentia-se a magia.

Os carros, sem utilidade, jaziam brilhando ao sol. Estranhas carcaças inertes e silenciosas, falando de outros momentos, aguardando o chamado.

A luz do Sol, quando este nasce, irrompe pela rua como por portão acabado de abrir convidando a entrar.
Ao deslocar-se continua, por umas horas, a percorrê-la de forma total, sem sombra em qualquer das margens. Sim, das margens, pois é disso que se trata: a minha rua é um rio de sol, luz e calor, que se estende, desliza e corre, por onde se pode navegar como quem desliza.

E é isso que, a cada manhã, faço tomando um refrescante banho de luz, seguindo bem pelo meio deste rio em que habito com um sorriso no olhar e nos lábios e o coração assim aquecido.


*******************
EM TEMPO: hoje, dia 19, o
faz anos. Não esqueçam, passem por lá.
Se não conhecem passem na mesma. estou certa de que vão gostar
e muito.